Tratamento de adultos com déficit de atenção e hiperatividade

tdah2
Imagem: reprodução

O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade é um dos distúrbios psiquiátricos mais frequentemente diagnosticados na infância. Muitas vezes os sintomas persistem na idade adulta, atingindo entre 1% e 6% da população. As taxas de outros problemas psiquiátricos em adultos com TDAH são maiores e eles apresentam dificuldades funcionais relacionadas a desempenho acadêmico, relações interpessoais, emprego e direção de veículos.

Diferente de crianças, o tratamento de primeira linha dos adultos com sintomas moderados a graves é medicamentoso. Neste caso, o fármaco de escolha é o metilfenidato, registrado no Brasil como “Ritalina” ou “Concerta”. Existe outra opção de medicamento comercializada no país, o dimesilato de lisdexanfetamina (“Venvanse”), que segundo os manuais, deve ser reservada aos casos que não respondem ao metilfenidato.

O uso do metilfenidato no tratamento de crianças foi extensivamente estudado, mas há poucos ensaios sobre seu uso em adultos. A avaliação dos resultados dos ensaios clínicos comparando metilfenidato a placebo no tratamento de adultos com TDAH demonstrou melhora nos sintomas relacionados a hiperatividade, impulsividade e desatenção no grupo tratado. No geral, a condição clínica dos pacientes tratados foi considerada melhor. O efeito colateral mais observado foi perda de peso e não foram observados efeitos mais sérios. Entretanto, como os ensaios analisados eram de curta duração, as conclusões acerca da perda de peso observada são limitadas – a longo prazo este efeito pode ser mais relevante. Cinco estudos relataram aumento da pressão arterial e três aumento da frequência cardíaca, mas estes efeitos não foram considerados clinicamente significativos. Os autores da revisão não puderem concluir se os eventos adversos não foram mais discutidos nos artigos porque não ocorreram ou porque não houve coleta destes dados.

Veja mais aqui:

ADHD – Diagnosis and Management (NICE guidance)
Ritalin for adult ADHD

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *