Pessoas felizes vivem mais? Ou, tristeza mata?

O estresse psicológico tem uma gama de efeitos biológicos, a curto e longo prazo, envolvendo níveis hormonais e aumento dos níveis de inflamação no corpo. Imagina-se que estas alterações sejam responsáveis por aumento de doenças, como isquemia do coração, depressão, e talvez também aumento de mortalidade.

Pesquisadores analisaram um grande banco de dados do Reino Unido (Million Women Study), constituído de mulheres recrutadas entre 1996 e 2001, que foram monitoradas ao longo dos anos quanto à mortalidade e causa da morte. Ao entrar no estudo, as mulheres foram questionadas quanto ao seu grau de felicidade (“Com que frequência você se sente feliz?”) e divididas em grupos do tipo “infeliz” ou “geralmente feliz”.

O estudo envolveu 719.671 mulheres com média de idade de 59 anos.

  • 39% dessas mulheres disseram estar felizes a maior parte do tempo,
  • 44% se consideraram geralmente felizes e
  • 17% se consideraram pessoas tristes a maior parte do tempo.

Os autores concluíram que a noção de que a felicidade reduz diretamente a mortalidade não tem fundamento, mas é interessante destacar a receita de felicidade sugerida pelas associações entre determinadas características e os graus de felicidade.

De acordo com as mulheres maduras da Inglaterra, é mais feliz quem:

  • Vive na Escócia, em vez de na Inglaterra;
  • É mais velho;
  • É menos desfavorecido socialmente;
  • Tem menos educação;
  • Faz exercícios;
  • Não fuma;
  • Bebe mais álcool (apesar de uma quantidade muito pequena);
  • Tem um parceiro;
  • Participa de atividades grupais, especialmente religiosas;
  • E dorme 8 horas.

A boa notícia é que o índice de massa corporal parece não exercer nenhum efeito sobre o grau de felicidade.

Does happiness itself directly affect mortality?

2 respostas para “Pessoas felizes vivem mais? Ou, tristeza mata?”

  1. Blog muito interessante e de muitíssima utilidade pública . As pessoas precisam de informação verdadeira , clara e baseada em evidência científica.Parabéns, Gisele! Sucesso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *