Mindfulness – isso funciona?

mindfulness

“Mindfulness”, ou como é chamado no Brasil, “mente atenta” ou “atenção plena”, é o processo de concentrar a atenção no momento presente de uma forma não crítica. Trata-se de uma forma de meditação derivada de práticas budistas, que começou a ser investigada empiricamente no final da década de 70, e adquiriu uma grande popularidade recentemente, com mais de 700 artigos científicos publicados em 2014.

Revisões sistemáticas que compararam terapia de redução de estresse, terapia cognitiva e outras práticas baseadas em “mindfulness” com placebo, detectaram efeitos pequenos a moderados na ansiedade e depressão após 8 semanas de treinamento, e redução destes benefícios após 6 meses de seguimento. Embora modestos, estes resultados são comparáveis aos encontrados com o tratamento com antidepressivos, com a vantagem da ausência de toxicidade. Consistente com estes achados, o “National Institute of Clinical Excellence” na Inglaterra e a “Americam Psychiatric Association” nos EUA passaram a recomendar terapia cognitiva baseada em “mindfulness” para depressão recorrente em adultos.

Atualmente, as práticas de “mindfulness” estão sendo investigadas no tratamento de outras condições psiquiátricas (esquizofrenia, anorexia, abuso de drogas e insônia) e somáticas (psoríase, câncer, infecção por HIV, doença cardíaca, síndrome do cólon irritável, hipertensão, doença pulmonar, diabetes e dor crônica).

Alguns pesquisadores vêm chamando a atenção para uma série de problemas metodológicos que limitam a força da evidência na eficácia das práticas de “mindfulness”. Em particular, o fato de que os resultados podem ser influenciados por uma espécie de “efeito de popularidade”: a crença dos participantes de receberem um tratamento eficaz, ou no mínimo, na moda. Uma vez que é virtualmente impossível cegar os participantes neste tipo de estudo, esta variável é de difícil controle. Também não se sabe se os efeitos benéficos se mantêm por anos, ou por apenas alguns meses; se existem efeitos adversos; se seria necessário um treinamento diário ao longo de anos, ou se oito seções semanais bastariam. Além disso, há um grande número de abordagens baseadas em “mindfulness” com pequenas, mas importantes variações, o que torna muito difícil generalizar os resultados obtidos.

Veja mais aqui:
Does mindfulness work?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *