Exercício aeróbico intenso. O que isso causa na mente?

cerebro exercicio
Imagem: reprodução

O que acontece com o cérebro durante o exercício? De um ponto de vista metabólico, o exercício intenso é a atividade que mais demanda energia do cérebro, muito mais do que fazer cálculos ou jogar xadrez, mas não se sabe o que acontece com toda essa energia.
Pesquisadores da Califórnia reuniram 38 voluntários para exercício em bicicletas ergométricas com o objetivo de que cada um atingisse 85% de sua frequência cardíaca máxima e utilizaram então um teste de ressonância magnética para identificar compostos no cérebro. Eles detectaram um aumento de dois neurotransmissores – glutamato e ácido gama-aminobutírico (GABA) – responsáveis pelas mensagens químicas no cérebro. Aparentemente, uma das coisas que o cérebro está fazendo durante o exercício é produzir mais neurotransmissores.
Essa descoberta abre um campo interessante de possibilidades. Doenças como a depressão são supostamente causadas por deficiências nos níveis de neurotransmissores no cérebro e muitos antidepressivos atuam aumentando estes níveis. Parece que a vida sedentária também tem um impacto negativo sobre a saúde mental e talvez o exercício vigoroso possa ser recomendado como tratamento alternativo para a depressão.
Do ponto de vista dos atletas também é possível fazer algumas conjecturas. A ciência ainda não esclareceu o mecanismo pelo qual as pessoas ficam fatigadas durante o exercício. Sempre se supôs que esta sensação seja devida à depleção de oxigênio nos músculos, mas talvez seja o cérebro quem joga a toalha. Na próxima etapa, os pesquisadores pretendem avaliar se atividades físicas menos intensas, como a caminhada, podem trazer benefícios similares.

Confira o resumo do artigo aqui:
Acute Modulation of Cortical Glutamate and GABA Content by Physical Activity

2 respostas para “Exercício aeróbico intenso. O que isso causa na mente?”

    • Oi Valnice, o artigo foi publicado em fevereiro de 2016, e de acordo com as informações doo Periódicos-Capes, só teremos acesso ao texto integral 6 meses após a publicação. Tivemos que rebolar pra redigir este post com informações picotadas daqui e dali.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *