Déficit de atenção e hiperatividade em crianças e adolescentes

TDAH
Imagem: reprodução

O déficit de atenção e hiperatividade é uma doença comum, altamente hereditária, que apresenta padrões de desatenção, hiperatividade e impulsividade, e que pode persistir e impactar as relações sociais ao longo da vida.

No entanto, as inúmeras incertezas quanto ao tratamento dessa doença deixam grande parte das necessidades clínicas destes pacientes desassistidas. Os maiores desafios são:

  • a ausência de um padrão-ouro para avaliação dos testes diagnósticos, que torna confusos os limites entre o que é “normal” e o que é “a doença”,
  • a ausência de consenso sobre a melhor aproximação terapêutica e
  • a falta de consenso sobre quais desfechos devem ser avaliados nas pesquisas, tornando difícil determinar os efeitos do tratamento a curto e longo prazo.

Ao final de 2015, autores renomados publicaram os resultados de uma revisão sistemática para avaliar se o metilfenidato é benéfico para a doença. Foram incluídos 185 estudos com um total de 12.245 crianças e adolescentes. As comparações foram feitas com placebo ou nenhum tratamento e o desfecho principal investigado na revisão foi melhora avaliada pelo professor na escola.

De um modo geral, o metilfenidato foi efetivo e apresentou efeitos adversos no sono e no apetite, em sua maioria eram toleráveis. Mas os autores não tiveram acesso a todos os estudos realizados pela indústria farmacêutica, apenas àqueles que elas decidiram publicar. Não existe atualmente, em nenhum lugar, lei que obrigue as companhias a divulgar os resultados de todas as suas pesquisas, e a comunidade científica supõe que elas só publicam os resultados que mais favorecem seus produtos. Numa atitude ousada, os autores da revisão optaram por considerar todas as pesquisas incluídas na revisão clara ou indiretamente financiadas pela indústria farmacêutica (96,8%!), como de má qualidade, e essa evidência de efeito do metilfenidato perdeu toda a sua força. É pouco provável que esta decisão vá impactar de imediato os hábitos de prescrição, inclusive pela escassez de alternativas terapêuticas. Mas resta saber como reagirão aqueles responsáveis por sumarizar as evidências para os clínicos em manuais.

Methylphenidate for ADHD in children and adolescents: Cochrane systematic review

Uma resposta para “Déficit de atenção e hiperatividade em crianças e adolescentes”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *