Como avaliar a qualidade da informação sobre tratamentos na web?

O que pesquisadores e clínicos chamam de “evidência” consiste num corpo de pesquisa rigorosa e atualizada, que demonstra que um tratamento é benéfico. O acesso a um tratamento baseado em evidências envolve a avaliação constante do tratamento mais efetivo para uma doença. Geralmente também implica na substituição de intervenções já estabelecidas por novas, que tenham demonstrado ser mais efetivas e mais seguras. Isso exige admitir um certo grau de incerteza acerca do que é mais efetivo, uma vez que a qualidade da evidência clínica pode variar, ou a pesquisa mais apropriada pode não ter sido feita.

A prática da decisão compartilhada possibilita que clínicos e pacientes possam trabalhar juntos na melhor escolha para um indivíduo e boa parte do processo de envolvimento dos pacientes depende do acesso à informação de boa qualidade. Mesmo quando as escolhas são limitadas, ao menos se pode saber o que esperar de um tratamento.

No entanto, nem toda informação é de boa qualidade – e apenas uma pequena proporção delas é baseada em boas evidências. Muitas publicações fornecem informações pouco acuradas ou recomendações confusas e pode ser frustrante não saber quais descartar. Os ingleses criaram um teste (DISCERN) para auxiliar os consumidores de informação sobre escolhas de tratamento a julgar a qualidade do que está escrito. Embora o teste não possa avaliar a qualidade científica ou a acurácia da informação (isso depende de uma avaliação sobre as fontes utilizadas), conhecer estes critérios pode ajudar tanto os consumidores quanto os produtores de informações.

Algumas dicas para avaliar a qualidade das informações:

survey

  • Cheque as fontes – veja  se as referências ou links externos são confiáveis. Cuidado: uma lista de fontes adicionais não é necessariamente uma fonte de evidência para a publicação
  • Cheque a data da publicação – veja se está atualizada.
  • Cheque a possibilidade de viés – veja se a publicação está escrita sob um ponto de vista pessoal ou com algum objetivo, se é baseada num único estudo ou opinião de especialista e verifique também se a publicação tem alguma chancela externa

E confira aqui o DISCERN:
The DISCERN Instrument

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *