Autismo, Asperger e o espectro

O chamado “transtorno do espectro autista” é uma categoria diagnóstica relativamente nova, que engloba doenças antes classificadas separadamente: o autismo, a síndrome de Asperger e outros transtornos do desenvolvimento da integração da infância. O termo “espectro” foi introduzido em referência à grande variedade de sintomas e sua gravidade. É uma doença que afeta a habilidade…

Maconha e a recuperação de um primeiro episódio de psicose

Estudos em animais adolescentes indicam que o uso de maconha promove alterações comportamentais, neuronais e moleculares que se assemelham àquelas encontradas na esquizofrenia. Pesquisadores ingleses investigaram se as pessoas que vivenciam um primeiro episódio de psicose têm piores desfechos como resultado do uso de maconha (veja aqui). Qual o efeito do uso de maconha na…

Antipsicóticos off-label para adolescentes

Os antipsicóticos vêm sendo cada vez mais utilizados em adolescentes não psicóticos em situações não recomendadas na bula dos medicamentos (“off-label”), como já comentamos aqui, por exemplo. Na sequência, a preocupação com os efeitos adversos cardiometabólicos, em especial a diabetes tipo 2, aumentou também. Pesquisadores conduziram uma revisão sistemática (veja o resumo) para avaliar o…

Prolongamento do intervalo QT – um efeito adverso de muitos psicotrópicos

O coração faz o sangue circular pelo corpo a cada batida, impulsos elétricos fazem o coração contrair e relaxar. Após cada batimento, o sistema se recarrega para a próxima contração. Chama-se “prolongamento do intervalo QT” o aumento do tempo de recarga entre os batimentos. Trata-se, portanto, de uma arritmia cardíaca. Esta arritmia pode ser hereditária…

Os antipsicóticos de segunda geração são melhores que os de primeira geração?

Quando os antipsicóticos de segunda geração foram introduzidos no mercado, no início da década de 90, foram conclamados como um grande avanço no tratamento das psicoses. Eles aparentavam vantagens importantes sobre seus predecessores, incluindo melhor eficácia na melhora clínica e na tolerabilidade. Alegava-se que o alto custo destes medicamentos seria sobrepujado pela economia resultante da…

Qual o melhor antipsicótico para tratar esquizofrenia?

A esquizofrenia é uma doença debilitante, e está entre as 20 maiores causas de incapacitação  no mundo. Apesar do número relativamente grande de antipsicóticos disponíveis, ainda há controvérsia a respeito de qual o melhor medicamento a ser usado. Uma revisão sistemática ousada procurou comparar 15 antipsicóticos aplicados no tratamento da esquizofrenia aguda, para propor uma…

Antipsicóticos para tratar anorexia?

Os antipsicóticos não estão registrados para tratamento da anorexia nervosa, mas esta indicação vem ocorrendo na prática clínica em alguns lugares do mundo. Os argumentos podem parecer persuasivos, afinal, a crença de alguns pacientes sobre o tamanho do seu corpo parece um delírio. Além disso, alguns antipsicóticos aumentam o peso – e aqui, talvez isso seja uma vantagem. Mas…

$ sempre ajuda

…(ou por U$22 a Letícia também tomaria) Manter um paciente que sofre de psicose em tratamento com antipsicóticos é uma preocupação muito séria de médicos e familiares. Algo entre 25% e 80% (!) dos pacientes deixam de tomar remédios em algum momento de seu tratamento e muitas vezes isso significa reinternação hospitalar. Diversas intervenções foram…

Distinção entre antipsicóticos de primeira e segunda geração

A esquizofrenia é considerada uma doença crônica e debilitante, que afeta cerca de 1% da população. Ao contrário de muitas doenças, onde a fisiopatologia direciona a síntese de novos medicamentos, na esquizofrenia, foi a descoberta fortuita de que uma substância que atua no sistema dopaminérgico do cérebro melhorava delírios e alucinações, que propiciou o surgimento…